Por questões ideológicas Emerson Jarude pede desfiliação do PSL

Vereador afirma que sua saída do PSL não tem relação direta com a filiação de Jair Bolsonaro e sim a maneira sorrateira que seguiu a negociação

Demonstrando indignação com o Presidente Nacional do PSL, Deputado Federal Luciano Bivar (PE) o vereador Emerson Jarude anunciou sua desfiliação do PSL. Em entrevista a imprensa local o vereador não descartou o seu voto para Bolsonaro em um eventual segundo turno e afirmou que sua desfiliação não altera sua relação com o pré-candidato ao Governo do Acre Coronel Ulysses, cujo o vereador será o seu coordenador de campanha. 

Confira nota:

 

NOTA DE ESCLARECIMENTO

É com muita tristeza que anuncio minha saída do PSL. A chegada do deputado Jair Bolsonaro, negociada à revelia, é inteiramente incompatível com o projeto do Livres, movimento independente que acompanho nessa decisão e que continuo a fazer parte. Eventuais intenções de votos estacionadas por um momento não valem mais que a integridade de nossos valores e a consistência permanente da nossa militância.

Como um cidadão que acredita no diálogo, respeito todos os posicionamentos favoráveis e contrários ao deputado Jair Bolsonaro por acreditar que eles são frutos da democracia. No entanto, a forma sorrateira e desleal das negociações mostrou que o PSL, na figura do seu presidente, Luciano Bivar, não se importou com o futuro que estávamos construindo.

Sofremos um ataque da velha política. É neste momento que demonstramos a consistência de nossos valores e a força da nossa união. Seguiremos firmes no propósito de transformar a política brasileira e de melhorar a vida das pessoas, sempre conectados aos anseios da sociedade. Essa é uma transformação gradual.

O que o Livres está passando é, na realidade, o mesmo processo que a sociedade brasileira vive atualmente: o de não se dobrar e, sim, buscar uma modificação de verdade, que atenda de fato o interesse público. Permanecer no PSL, mesmo com a saída do Livres seria ainda uma ingratidão com os que estenderam a mão quando precisei.

Em fevereiro de 2017, quando as diretorias municipal e estadual do PSL me pressionaram para a retirada da minha assinatura de apoio a abertura da CPI do Transporte Público em Rio Branco, a diretória do LIVRES interviu e nos salvou até mesmo de uma possível cassação, nos dando a segurança necessária para atuarmos ao lado da população.

Continuaremos fiéis aos nossos valores de liberdade, participação e transparência, amadurecendo e formalizando nosso almejado modelo de governança, por meio do qual iremos deliberar democraticamente sobre a estratégia do movimento para as eleições 2018.

Comentários

aqui vai ficar os comentários do facebook